miércoles, abril 19, 2006

Re: s.

Espalhar maravilhas pelas ruas
Derreter suavemente a pele
O tempo, o gosto
A cor.
Ouvir e ver, haver
Ser.
Ser o instante do beijo, ser o tempo
Ser, o homem.
O homem que sabe o que é
Porque sabe o que não foi e o que vai ser
Que mantém tranqüilamente seus desejos
Em equilíbrio com sua realidade.

martes, abril 04, 2006

Apaixonada

Eu estou apaixonada entendeu? Apaixonada.

Ela disse isso berrando desesperada para o espelho, com um ar de angústia, com uma ternura que só se alcança em certos graus de desespero, feminino. Ela ainda estava nua, pois tinha saído a pouco do banho, estava tremendo no chão do seu quarto em frente ao grande espelho que fora de sua vó, foi tomar banho para se sentir menos nojenta, se sentir menos suja e imoral.
O dia de ontem foi cansativo, foi caminhando até a casa dele, bateu em sua porta e o viu com outra mulher, chorou quase duas horas e meia em sua frente lhe pedindo perdão por, mesmo depois de anos ainda não ter esquecido do tempo em que ele era dela. Correu soluçando para o banheiro, trancou-se e bateu na parede com força até sangrar os dedos, depois saiu do banheiro e sujou o rosto da mulher que estava com ele com o seu sangue, a beijou rapidamente na boca, segurando suas bochechas, recebeu um tapa em troca.

Levantou-se do chão, foi até a cozinha e bebeu um copo de uísque, quente. Chorou um pouco, um choro quente e calmo.
O dia de ontem foi calmo, passou dormindo, e pensou, quem sabe, em ligar para seu psiquiatra.
Eu represento muito bem, pensou sorrindo. E atirou seu copo no chão.