miércoles, mayo 14, 2008

Quem me ensinou a chorar.

- Eu só fui feliz na infância.
Ela disse e eu comecei a chorar. Não um choro grande nem de muitas lágrimas. Mas um choro contido, quieto e sincero, quase escondido, como nunca havia sido antes.
A cidade tá cheia de gente pelos bares, pelas ruas, gritando e bebendo e olhando o futebol. E a gente aqui dentro, como se não existisse mais nada, ou pelo menos nada que importasse. Ela tá lá, deitada no quarto, praticamente dormindo, e só a levanta a cabeça pra dizer uma outra coisa com sentido duvidoso. Eu tô olhando ela dormir, e sorrindo. Tá muito frio e eu fui buscar um cobertor. Meus pés e minhas mãos tão congelando, meus lábios tão roxos e eu tô tremendo, mas não quero deitar embaixo do cobertor, do lado dela, porque sei o que vai acontecer, e hoje, só hoje, eu não quero: O corpo quente chegando perto do meu gelado, o carinho na nuca, a mão procurando como se procurasse por um tesouro escondido há séculos. Não, não hoje. Hoje não quero me expôr a extremos, embora não me expôr a nada também seja um extremo. E essa extremidade ela odeia, mesmo gostando de todas as outras.
- Eu gosto de te ver dormir.
Eu disse, mas ela nem ouviu direito.
Deixa eu te contar uma história:
uma vez a gente brigou, e depois de um tempo foi se ver. e tu tava tão linda, deus, tão linda sem mim, que eu sorri ao te ver. mesmo tu tendo passado a última noite no hospital, teu rosto trazia um ar de felicidade tão teu. que hoje eu já não vejo mais. e isso me dói tanto.
FIM
E agora com a garganta arranhada de quase dois maços de cigarros, que tu não saiba disso, e aquela vodka de ontem, que tenho certeza que nos deixou doentes, agora eu tenho certeza de que te amo, e isso é tão forte, mas eu tenho tanta certeza e não sei mais como é essa certeza ou: como vamos nos ver daqui pra frente?
Eu só sei que quero ver teu rosto estampado de felicidade, como naquela vez. Mesmo que isso doa.
E dói. E tu sabe disso tão bem quanto eu.

4 comentarios:

anasor dijo...

que bonito.
snif...

Allan dijo...

Nem me atrevo a comentar esse belo texto...

Sou o cara que outro dia deixou um scrap no teu orkut dizendo o quão bom, ótimo, maravilhoso é teu blog.

Agora criei o meu e estou tomando a liberdade de colocá-lo associado ao meu...

Você escreve belos textos que conseguem tirar o cinza do cotidiano, das pequenas ações desapercebidas - me identifico muito com isso.

Aquele outro texto teu então...falando sobre egoísmo. Nossa! Foi tudo o que eu sempre quis dizer (por isso o fato de meu blog se chamar 'Útero Cinza' - um lugar só seu, onde a comida provém apenas para você, junto com a segurança e toda a proteção, tudo dedicado à você, o lugar em que se busca o equilbrio, nem preto, nem branco, mas até o equilíbrio deve ser quebrado às vezes, um chute em nossa mãe).

Está difícil encontrar pessoas que gostem de escrever - só vejo blogs incompletos, desacreditados, desfeitos...E você continua e espero que continue...

Abraços!

Allan dijo...
Este comentario ha sido eliminado por el autor.
Angeli dijo...

que amor lindo,
e com um toque de melancolia.
A.