viernes, octubre 13, 2006

Cansada

Ela cogitava a possibilidade, nunca antes havia cogitado a possibilidade de sequer, cogitar a possibilidade, mas, hoje, ela cogitava: a possibilidade em si.
Fazia um calor chato no meio do inverno, com vento, mas abafado, doía no rosto, doía nos olhos, era como se estivesse no meio de um deserto, mas com frio.
Ligou, ligou e ninguém atendeu, tomou banho, deitou, tomou café, ligou novamente, ele atendeu. Não. A palavra ecoava, amanhã quem sabe...
Justo agora que ela cogitava a possibilidade. Decidiu: ‘De ontem em diante nunca mais vou perder nenhuma possibilidade’. Perdera duas ontem.
Doía no rosto, doía nos olhos - vento de emoções e devaneios - simplesmente doía.
Saiu de casa, sozinha, caminhou, correu, subiu no ônibus, acabou a pilha, vontade de vomitar, maldita vontade de vomitar. Caminhava no centro sozinha e seus lábios rachados doíam, caminhava no centro sozinha e olhava para os lados com fúria como se procurasse alguém.
Foi aí - depois de não encontrar ninguém – que hoje ela iria variar, iria perder a vergonha para poder ganhar de novo e se orgulhar dela de novo, como a primeira vez, hoje ela iria se sentir dona de si mesma, nem que fosse por simples segundos. Não existe pecado, não existe erro, não existe verdade, é tudo questão de ponto-de-vista é tudo questão, pura questão, de interpretação.
Caminhou, subiu a ladeira correndo, desceu correndo no outro sentido, cantarolou alguma canção, dançou por entre os carros, dançou por entre o próprio cérebro, no cérebro ecoavam palavras de comando: Não, Sim, Sobe, Desce, Deita, Rola.
(sentia-se uma cadela, mas uma cadela feliz)
Sentou no cordão da calçada para descansar, retomou a vergonha e cansou:

Não é a pessoa que eu esperava. Nunca é a pessoa que eu espero. Tenho desistido das pessoas ultimamente, principalmente da minha pessoa, estou cansada. Cansada de ser orgulhosa, cansada de ser prepotente, cansada de ser pretensiosa, cansada de ser. Estou cansada de pensar demais, porque eu penso demais, e penso tanto que não consigo me expressar direito, e embora seja sincera, estou sempre mentindo. A imaginação é mais rápida que o pensamento, mais rápida do que as palavras, mais rápida do que a fala. Estou cansada de imaginar demais, de projetar demais.
Cansada de me cansar demais.



4 comentarios:

O Gafa dijo...

Não foi dos meus textos mais preferidos, porém, como comentei outro dia, não lembro com quem, teus textos de longe podem ser reconhecidos.


Gostei bastante dos jogos de palavras. Nem deve notar quando faz isso...

Vento. dijo...

Acho que isso condiz com - e resume - a maioria das nossas conversas. Sempre cansados de alguma coisa externa que na verdade é só reflexo das coisas internas, que só existem porque na verdade estamos sempre cansados de estarmos cansados. Quantas vezes a gente já falou sobre isso? Inumeras. E quantas vezes chegamos numa solução?




(só uma falha: "hoje ela iria se sentir dona de si mesma, nem que seja por simples segundos". Ela vai ou nem que fosse.)

Cíntia dijo...

eu amei esses textos.
são teus mesmo?! :O~

:*
Cí.

Anónimo dijo...

Meu Deus Gasparzinho
Tu escreve muito bem
Um dia quando eu crescer
Quero ser que nem tu